ED 87 - SETEMBRO 2016

"Aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira." Cecília Meireles

setembro2016

BUQUÊ SUBULATA
Tiago Henrique - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. - thvirtual.com
ESCOLA (página 90)

Primeiro Grau:

Como posso compreender o mundo?
Nunca saí daqui.
Olhar pela janela não é o bastante.
Se, só vejo televisão
Terei uma visão de outro visor

Segundo Grau:

Uma leitura que pensa ser crítica
E às vezes é crítica sem querer, por querer
Como posso compreender o mundo
Se me dão respostas prontas,
Se abafam minha imaginação
Se conduzem um teor de criatividade
Por um túnel reto, escuro e invisível.

Terceiro Grau:

Eles acham que são livres,
Chegam aqui com o ar de quem conquistou o mundo.
Alguns se deparam com uma parede
Outros se trancam na intelectualidade...
Poucos se rebelam
E alguém
Vive ou morre
No fim... Nada é mais que uma fôrma.

COLUNA DA PAMELA

NÃO É FÁCIL

Não é fácil apagar o passado
Não é fácil dizer que já passou
Não é tão simples dizer que já deu
e muito menos que acabou

Não é tão fácil ver que foi mentira
Não é fácil olhar nossas fotos e ver
Um espaço perdido no universo
Não é fácil ver que tudo se apagou

Não é fácil levantar todos os dias
Muito menos ver que o nós acabou
Não é fácil olhar para frente
Não é fácil ver que era ilusão da minha mente

Não, nao foi e nao será fácil
Mas a única certeza que tenho
É que acabou.

POESIAS

COLUNA DO TARSO - http://tarsocorrea.blogspot.com.br/

DESCORTINANDO O PASSADO

Vasculhando as gavetas da minha vida,
Chorei, sorri, fiz careta;
Encontrei inutilidades, futilidades,
Que hoje não sei por que guardei;
Encontrei alegrias, coisas importantes e algumas meras alegorias;
Encontrei encontros e desencontros,
Amores que ficaram surrados, abandonados,
E mágoas que criaram teias e ficaram mofadas;
Encontrei umas tantas vidas que com a minha cruzou,
E que o tempo levou;
Encontrei realizações e decepções,
Emoções enclausuradas nas lágrimas contidas,
Da tristeza guardada;
Encontrei ainda, jogada em um canto,
Um tanto de alegria embrulhada, reprimida;
Agora, cabe a mim, limpar o mofo,
Sacudir a poeira,
Limpar a sujeira;
Seguir colecionando as tralhas que o tempo me traz,
Trançando meus pés nesta andança
Até o tempo que não terei o tempo,
E passarei a ser lembrança;
Uma biografia vazia,
Uma fotografia sem nome,
Perdida, esquecida.

COLUNA DO BRENDOW - https://www.facebook.com/ametafisicapoetica?fref=ts

AMOR PRÓPRIO

Doeu pra caralho, é verdade.
Ainda hoje, eu sinto saudade,
Porém, a vida tinha que seguir.

Eu enchi a cara, é verdade.
Vaguei pelos bares da cidade,
Procurando motivos pra sorrir.

Eu quis te ligar, é verdade.
Até liguei por afeto e amizade,
Mas você sequer quis me ouvir.

Desisti do amor, é verdade.
Mas aprendi com sinceridade,
Que o amor próprio me faz florir.

COLUNA DA AMANDA -http://mandiibeiro.blogspot.com.br/

POR UMA VIDA COM MAIS PAIXÕES

Desde que me entendo por gente, lembro das pessoas tentando definir o que é paixão. Lembro de uma vez que meu tio fez uma surpresa linda pra minha tia e colocou um cartaz enorme na parte de dentro da porta do quarto dela com essa palavra escrita de todo tamanho. Eu era criança, devia estar vivendo meus oito aninhos de vida e me recordo de ter ficado com a palavra na cabeça sem entender muito o significado dela.

Aí entrei na adolescência e as revistinhas típicas que lemos nessa fase da vida, me ensinaram que paixão é quase que um oposto -talvez complementar, meio paradoxo, eu sei- do amor. Me ensinaram que paixão é quase que exclusivamente ligado ao relacionamento casal. Que chega um dia em que você se apaixona por alguém e que, não muito tardiamente, a paixão acaba: se restar amor, ótimo, você está fazendo isso certo! Conclusão ingênua e, com perdão da palavra, um pouco burra também!

Depois cresci mais um tiquinho e me lembro de algum dia na faculdade, ouvir uma aula sensacional, do grande professor de semiótica, Júlio Pinto, sobre os crimes passionais. É, foi uma aula incrível, mas que me deixou ainda mais confusa sobre o significado de paixão.

Aí um dia, percebi que falar de paixão somente no que diz respeito a relacionamentos tira muito significado de algo que é tão grande. A gente se apaixona todos os dias, não somente por pessoas, mas por coisas, situações, lugares, bandas, trabalhos...

Paixão não é oposto de amor: paixão é, e ponto!

Pra você entender melhor, amor é o que você diz que um cachorro sente, paixão é o que ele sente!
Você pode amar alguém ou alguma coisa, por exemplo, mas não ser apaixonado. Mas aí, vai por mim: não tem muita graça!

Paixão é o tesão que te impulsiona. É o que faz a sua vida não cair naquela do mais ou menos, do tamo aí, do empurrando com a barriga.

Viver de paixões é ter prazer em viver. É ter vontade, é saciar!

Paixões não são eternas, mas também não são necessariamente tão efêmeras como acusa a oposição.É claro que elas podem acabar, que elas podem mudar ou nunca acontecer, como tudo na vida.

Então caro leitor, quando uma paixão acontecer na sua vida, seja ela em qual âmbito for, deixa acontecer! Vai sem medo, sem travas, se joga mesmo! Porque talvez a paixão seja a forma mais autêntica de amor!

ESPAÇO ABERTO

LEILA - Livingston Marlison Siqueira -http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=57160

Naquela noite, todas iguais
Saltos, maquiagem e poses.
Corações vazios...

Leila me chamou a atenção
Com seu riso solto e seu jeito louco.
A voz meio rouca
A menina sabia sorrir com os olhos.

Impossível ficar indiferente
À presença daquela mulher.
A sua existência
Em qualquer canto da cidade
Sacudia meu coração.

Naquela e, em outras noites
O mundo me sorriu
Nos lábios macios de Leila
E isso não foi o fim.
Mas, eu me perdi pra sempre!

TEMPO PERDIDO - Clarisse Costa - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

O papel sobre a mesa
E nada das palavras
Que podiam ser
ditas.
O vaso ali
Ao canto
E nenhuma rosa
À murchar pelo tempo.
O rosto rosado
Em sua timidez
E nenhuma mão
A lhe acarinhar.
Os olhos perdidos,
Brilhantes de amor
E nenhum outro
Olhar
A lhe admirar.
Não adianta
Reclamar
O tempo não volta
Atrás.

MULHER DOS PÉS DE DEUS - Luciana Chaves - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

No rio sombras no desfecho dos galhos das árvores.
Sonhos que se alongam no sol de querer dormir.
Sina!
Capoeira, pau a pique, sofrido.
Só... solidão mesmo!
A bacia balança o filho...
Argila, água corrente, pano branco, bolhas de sabão.
Olhar de rugas, segredos.
A fé na foto de jornal.
O grito, desabafo...
Garfo, refeição.
O alento da estrada, caminha descalço no encalço da fé.

MOMENTO CULTURAL

Convido a todos a visitarem o canal do Tiago Henrique no Youtube e conferir seu novo trabalho:

https://www.youtube.com/watch?v=aCsXqiNau08

Convido-os para curtirem a página do William Mota, artista visual betinense, foi convidado para representar o Brasil na “Semana cultural Brasil-Noruega”. A exposição de arte aconteceu na primeira quinzena do mês de setembro de 2015 na cidade de Oslo, Noruega.

https://www.facebook.com/williammotaartistavisual

COLUNA VEGETARIANA
Assista: http://www.terraqueos.org/

*FAÇA DOWNLOAD DE TODAS AS EDIÇÕES DA RBC, CLIQUE AQUI (http://www.4shared.com/dir/9mm2HE1N/RBC_Memria.html)

EDIÇÃO PUBLICADA POR

PAMELA SOBRINHO ( Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. )