ED 45 | de 25 de junho a 1 julho de | 12

ÍNDICE DA EDIÇÃO

Editorial - Desabafos do Rangel - Eu e a nanonarrativa - Sessão Julio Rabelo - Máquina do Vento - Um olhar - Leitura e Formação de Leitores - Contando Estórias - Espaço do verso. E reverso - Coisas da Vida - As aventuras de Kill - Espaço Aberto Virtual - Cinema a qualquer hora - Memória do Mundo - Eventos

EDITORIAL

Por Cristiano de Oliveira - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Olá a todos que fielmente seguem nosso semanário, hoje em plena segunda feira devido a alguns contratempos (como de costume), mas com toda a transparência possível para levar a sua semana o máximo de informações que coletamos.
Sentir falta é um tema bem vindo hoje para começarmos nosso editorial já que não teremos as colunas “Ponto de Cultura e Arte”, “Editais” e a “Teia Cultural Minas”, bom, o motivo é que a Teia que nos disponibiliza os editais, os pontos de cultura e toda a programação por toda a Minas esta divulgando as eleições citadas na ultima edição da RBC Semanal, portanto lutaremos para que nas próximas edições tudo se normalize, e também pela ausência de três dos nossos colunistas que com certeza estarão se ajustando para levar seus pensamentos em edições futuras. Julho é o mês de férias escolares e em outros pontos profissionais, esperamos e muito trazer a vocês, leitores, o máximo dos eventos que estarão em vigência, fiquem ligados.
Eu sei que é pouco o que trazemos nesta edição, mas considerem que sempre a frente do projeto estão profissionais que todos os dias coletam pequenos detalhes para que nasça um grande semanário, e até acho que isso é chover no molhado, vamos caminhando...
O final de semana foi marcado por conclusões que achei até precipitadas em nossa sociedade, a TV só demonstrou processos de traições, famílias destruídas, e o inegável poder de traficantes em nosso país. Quero até pedir desculpas em generalizar e colocar a palavra “país”, mas uma metrópole como São Paulo que hoje abriga mais de 11 milhões de seres humanos não pode, em hipótese alguma, ficar refém do medo. Problema novo, caso velho, e vida de cidadãos vão entrando cada vez mais em estatísticas... isso cansa, isso difama nossa inteligência enquanto seres formadores de opiniões que somos.
Professores desrespeitados em plena sala de aulas, policiais são mortos covardemente pelas costas em seus dias de folga com suas respectivas famílias, ativistas vão até a Rio+20 construírem suas opiniões, mas são literalmente ofuscados pela banalização da mídia.
Onde estamos??
Que país é este?
Brasil, um lugar para todos!
Sinceramente, não quero colocar aqui palavras na boca de ninguém, mas antes eu pensava que a pena de morte seria tornar o sistema igual a quem o freqüenta criminalmente. Músicos brigando contra a mudança do sistema já abordaram este assunto, hoje eu me coloco em cima do muro, eu, Cristiano de Oliveira, me ponho a pensar e refletir sobre o que é impunidade em meu terreiro, a nação em que nasci, vivo e morrerei um dia.
Deixo aberta a reflexão, vamos discuti-la nas próximas edições!

Uma grande semana a todos!!

DESABAFOS DO RANGEL
Por Thiago Rangel - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Pagando língua

Na minha vida era muito comum frases do tipo “eu jamais vou fazer isso” ou “nem morto eu faço aquilo”, impedindo assim que novas experiências pudessem ser vividas.
Não é fácil libertar-se do “eu não vou fazer / eu não vou viver”, mas existe uma recompensa gratificante quando nos desprendemos de nossas chatices e damos uma chance para que a vida nos surpreenda, justamente naquilo que tanto abominamos.
Tudo começou quando recebi minha primeira cutucada no facebook, e sem acreditar que um relacionamento poderia dar certo por meio de uma rede social, mergulhei de cabeça, achando graça em cada avanço, mas sem confiar que a relação progrediria. Surpresa das surpresas, progrediu. Nunca fui tão feliz e me identifiquei com alguém como hoje.
Ah, e não posso esquecer que gritava aos 4 cantos da terra, que em hipótese alguma namoraria a distancia... E advinha o que aconteceu?
Depois disso, passei a fazer coisas que eu nunca havia feito e cheguei a me perguntar se já era hora de ser contido ou de apelar para o uso da camisa de força.
Não acredito que tenha deixado de ser “eu”, mas, abri minha vida para que meu “eu” seja mais amplo e possa viver coisas diferentes. É engraçado como pagamos língua, nas coisas mais simples. Outro dia fui protagonista de mais um capitulo de “ nunca viverei isso”, comemorei o aniversário de uma grande amiga em um show de pagode.
No inicio, fui resistente, completamente preconceituoso e pensei “Acho que morri e fui lançado direto no inferno”, meia hora depois, passei a olhar o “evento” como algo cultural e fui surpreendido pela alegria das pessoas, pela harmonia do ambiente e mesmo que eu não me identificasse com as musicas, me diverti com aquilo que era diferente pra mim.
E agora cometi uma loucura jamais pensada, passei a doar alguns objetos que mais gosto como ação de desapego às coisas materiais. E nessa onda já se foi um Nike shox, um playstation, um aparelho de DVD e um celular. De acordo com minha irmã, a insanidade tomou conta de mim.
Ainda há muitas experiências para que eu possa conferir, quero andar de balão, viajar de navio, participar da corrida de 100m na orla da lagoa da Pampulha e mais 700 coisas! Alguém se arrisca a deixar o preconceito em casa e sair em busca do novo? Vale a pena!

EU E A NANORRATIVA
Por Giuliano Santos - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Parabéns
A todo eleitor da República Federativa do Brasil

A imagem de Padre Cícero pesava sobre as contas na cômoda corroída e o cinzeiro de pedra assentava a pilha de classificados. Naquele dia, Raimunda mentiu à filha: em noite de aniversário não tem luz acesa. No parabéns, Raimunda tragou um choro amargo e premonitório antes de clicar o rosto alegre e inocente soprando a velinha quebrada.

SESSÃO JULIO RABELO | Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Foto:juliorabelosessãoFOTOS 4

Canal de vídeos Julio Rabelo 

MÁQUINA DO VENTO
Por: Tiago Henrique - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

SABEDORIA IGNORADA

A fumaça que corre no ar
A sombra que anda sozinha
O suspiro quase interminável
O delírio de uma imaginação perdida

Tudo ao mesmo tempo é nada
A ganância esgana a vida
O contentar não se contém
E isso, se torna um fardo

Pareces trocar o certo pelo duvidoso
Acreditas alucinadamente no futuro, subverte o passado
E não enxerga o seu presente,
A maravilha da vida, agora!

Experiências constroem seu dia a dia
É inevitável querer se controlar;
Aos pés dos mais velhos,
A grande sabedoria ignorada por um jovem

Então a vida se articula
Na explosão de atos imaturos,
E tudo, novamente é nada
E isso te confunde como uma singular gota d’água, no oceano.

Aceite você mesmo
Acorde para a realidade
Seu sorriso imaginário
Foi construído longe demais

Não ignores o que falo
Valorize, respeite, entenda
Tenha mais cautela e brinde suas conquistas
É preciso valorizar

Para isso
Esqueça a ganância besta
De um mundo fantasioso e inexistente.

UM OLHAR
Por: Bruna Santos - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Aguardando Atualizações

LEITURA E FORMAÇÃO DE LEITORES
Por Baltazar José Filho - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Aguardando Atualizações

CONTANDO ESTÓRIAS
Por: Eder Aguiar Faria - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Aguardando Atualizações

ESPAÇO DO VERSO. E REVERSO
Por: Luiz Carlos Leme Franco - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Barraco

Caiu a porta do barraco.
Era a única coisa ainda inteira.
Agora preciso por num saco
e guardar em cima da cadeira,

tudo o pouco que tenho -
utensílios e outros cacarecos,-
que ajuntando há tempos, venho
e formando meus poucos trecos.

Agora estão mais fáceis de se perder
com a humilde barraca toda aberta.
Nada tenho p’ra comprar ou vender,
mas devo ficar ‘inda mais alerta
para não ficar com menos agora.
Não posso deixar levarem embora
minha cama, meu fogão e só.
Fora isto apenas tenho
alguns panos, sujas tiras
e nada mais. É de dar dó.
Mas não posso deixar
que alguém me retira
estes paupérrimos bens.

Um dia minha casinha vou ter,
terei também sala com mesa,
e televisor vou poder ver,
e tudo ficará uma beleza.

Não posso perder o que tenho
se desejo ter o que penso.
Faço tudo com empenho
e recoleto até lenço,

para que consiga por na casinha
um pouco mais de conforto.
Vou todo dia ao porto
buscar mísera pecinha,
que possa servir p’ra venda
e eu ganhar um troquinho
e melhorar minha tenda.
Mas se quero progredir,
preciso arrumar a porta
do meu barraquinho,
para poder sair e pedir.

COISAS DA VIDA
Por : Kilze - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Professor Brasileiro_ salário ou migalha?

professor

O Brasil “diz” que se preocupa com educação. Numericamente hoje temos menos analfabetos do que anos atrás. Fato! Porém ainda existem muitos analfabetos funcionais, pessoas que não sabem ler com diploma na parede.
Nossos governantes precisam aprender a investir realmente em educação. Um professor alfabetizador na Europa ganha muito bem. Na Alemanha algo em torno de R$ 5.000,00 por mês por 40 horas semanais sendo destas 18 horas em sala de aula. Aqui os professores alfabetizadores e os educadores infantis são os que ganham menos.
No Blog do Tas do apresentador Marcelo Tas do CQC ele fala sobre uma pesquisa da UNESCO que avaliou diversos aspectos e constatou que o salário do professor brasileiro é o terceiro pior do mundo. “A situação do Brasil só não é pior do que a dos professores do Peru e Indonésia. Isso reflete diretamente na qualificação e formação profissional.” segundo o blog. O início da educação de uma criança é a base, todo o resto se constrói sobre ela.
No oriente um professor tem um respeito acima de todas as outras profissões afinal, segundo eles, as outras profissões não existiriam se não houvesse professores.
Os nossos lutam para sobreviver com a miséria que ganham. E não me venha dizer que são “coisas da vida”...
É nosso dever mudar a nossa realidade. Os pais não devem agir como se o problema não fosse deles. São eles (os professores) quem cuidam dos nossos filhos então o problema é nosso. Devemos nos manifestar para apoiá-los. Afinal, todos têm direito a dignidade e um salário justo e boas condições de trabalho são direitos previstos na nossa constituição que devem ser acessível a todos.
Há um provérbio chinês muito inspirador para esse assunto:

“SE VOCÊ FAZ PLANOS PARA UM ANO, CULTIVE ARROZ; SE VOCÊ FAZ PLANOS PARA UMA DÉCADA, PLANTE ÁRVORES; SE VOCÊ FAZ PLANOS PARA UMA VIDA, EDUQUE PESSOAS”.

Um país que não preza pela educação não preserva seu passado e não terá um bom futuro.

Fontes
http://blogdotas.terra.com.br/2012/02/07/professor-brasileiro-tem-o-terceiro-pior-salario-do-mundo/
www.cafebabel.co.uk/article/26790/poland-italy-germany-france-spain-teaching.html

AS AVENTURAS DE KILL | por Cristiano de Oliveira

Aguardando Atualizações

ESPAÇO ABERTO VIRTUAL
Vulcão de carícias | por Neodo Ambrosio de Castro

Nas noites, vividas aqui, mesmo sozinho
Compreendo o mistério deste momento
Essa chuva da manhã vindo de mansinho
Mais entristece e acelera o pensamento

Encontro você em quase tudo que faço
Penso, simplesmente, de tudo desistir
Mas morro de vontade de ter seu abraço
Por isso, resolvo mais um pouco insistir

Meu amor, resiste,apesar de massacrado
Quando chega, do nada, tira meu sossego
Sufoca-me de um jeito louco e inesperado

Sinto a sua vontade enorme de se dar
Incendeia-me a alma o vulcão de carícias
Assim não decido, logo, volto a pensar.

CINEMA A QUALQUER HORA
Por: Equipe RBC Semanal

Assista on-line uma indicação de filme por semana juntamente com sua família.
Filme da semana: Conversando com Deus

MEMÓRIA DO MUNDO

Eric Clapton e Jimi Hendrix

Eric Clapton e Jimi Hendrix

EVENTOS
Apresentação do Observatório Nossa Betim - Câmara Municipal de Vereadores
O Sistema de Indicadores Intraurbanos de Betim (www.nossabetim.org.br/indicadores) traz um conjunto de 58 indicadores sobre a situação da cidade e o desempenho das políticas públicas. Todos os dados são os mais atualizados disponíveis, referentes em sua grande maioria a 2010, incluindo dados do Censo do IBGE. Os indicadores são desagregados em 20 regiões de análise, indicando, através de mapas comparativos, as grandes desigualdades internas e as regiões que têm maiores demandas e urgência para receber políticas públicas. Através do Sistema de Indicadores Intraurbanos, é possível identificar as regiões da cidade, os serviços e os equipamentos públicos que merecem especial atenção dos poderes públicos e da sociedade, para elevar a qualidade de vida da população. O monitoramento permanente da evolução destes indicadores permitirá também que o Poder Executivo, empresas, universidades e organizações sociais, avaliem os resultados das políticas públicas e projetos que realizam.
Segunda-Feira 25/06/2012 - 14h

eri johnson